quinta-feira, 25 de março de 2010

Medo

"Quem dorme à noite comigo
É meu segredo,
Mas se insistirem, lhes digo,
O medo mora comigo,
Mas só o medo, mas só o medo.

E cedo porque me embala
Num vai-vem de solidão,
É com silêncio que fala,
Com voz de móvel que estala
E nos perturba a razão.

Gritar quem pode salvar-me
Do que está dentro de mim
Gostava até de matar-me,
Mas eu sei que ele há-de esperar-me
Ao pé da ponte do fim."
Amália Rodrigues

2 comentários:

  1. Eu também te embalo. Mas não é num vai e vem de solidão.

    ResponderEliminar
  2. O teu embalo é omelhor do mundo!

    ResponderEliminar